Religiões, filosofias, ideologias… Existe uma melhor que outra?

cartoon-meaning-of-life

Religiões, filosofias, ideologias… Existe uma melhor que outra?

Por Luiz Leite

Religiões, filosofias, ideologias, teorias, metodologias, por mais distintas que sejam, e por mais que, em certos aspectos, se hostilizem, têm um  ponto de contato onde se encontram e se beijam. Todas padecem de uma pretensão incorrigível, uma espécie de moléstia incurável, que é a presunção de apresentar ao mundo o melhor sistema, a melhor, a mais completa e certeira das escolhas. Temos visto nos últimos anos o Brasil chafurdando-se numa crise política e econômica sem precedentes. Na base do colapso político e econômico encontramos as crenças e práticas daqueles que tinham nas mãos as rédeas do país. Não bastasse a soberba pretensão de se acharem senhores da melhor teoria política, achavam também que o modelo econômico desastrado a nós apresentado alguns anos atrás pomposamente como a Nova Matriz Econômica, era a melhor aposta para reestruturar os fundamentos de nossa economia. Paremos por aqui, pois não quero que meu leitor passe mal!

Um sistema de crenças, quer seja religioso, filosófico ou político, uma vez construído, dificilmente pode ser desmantelado. Morrem os homens, ficam as ideias. Às vezes, mesmo mortos os homens, séculos, milênios, serão necessários para o descarte de uma ideologia. Curioso e, em alguns casos, assustador, é ver, vez por outra, ideias que há muito já se consideravam extintas, reerguendo-se de seus túmulos seculares. No contexto da fé religiosa, veja-se o caso do Arianismo, doutrina criada por Ário (256-336 d.C), em Alexandria, Egito. Classificada e condenada como herética no concílio de Niceia (325), a cristologia de Ário parecia ter ali seu ponto final… Através dos primeiros séculos da história da igreja a heresia teve altos e baixos, até desaparecer. Entretanto, após séculos outras heresias voltaram a surgir compartilhando a teologia Ariana. Por volta do final do século XIX nos EUA, surgiu um pequeno grupo de crentes que reuniam-se para estudar a bíblia. O pequeno grupo, mais tarde conhecido como a Sociedade da Torre de Vigia, traria das cinzas a heresia Ariana, pelo menos em parte, adotando uma forma semi-ariana de cristologia. Ário, de algum modo, voltou.

Teorias “científicas” há muito tidas como mortas, começam a se levantar de suas tumbas como verdadeiros zumbis, pondo-se a caminhar por aí. Hoje encontramos nas redes sociais um debate inútil que discute se a Terra é mesmo um globo, como ensina a ciência moderna. Pois, incrível que pareça, há um grupo que contesta e procura provar que tudo não passa de um grande embuste, ou seja, os livros, cientistas, governos e mídias mentem numa espécie de conspiração cuja finalidade não explicam direito. São os crentes na teoria da Terra Plana. Milhares de pessoas, senão milhões, acreditam que a Terra não é um globo, mas uma estrutura plana!

Enfim, ainda que divergentes, providenciando munição e combustível para alimentar guerras insanas, todas as religiões, ideologias políticas, linhas de pensamento filosófico ou científico, partilham a presunção de ter a melhor proposta para os homens e seus dilemas. Desse modo, o católico acha que tem a melhor versão do cristianismo, e mais, detêm as chaves do céu, um vez que, segundo sua doutrina, fora da igreja (católica) não há salvação! Permanecendo no universo das religiões, se considerarmos apenas os três grandes blocos monoteístas, judeus, cristãos e muçulmanos, fica claro para qualquer observador que os mesmos não se beijam. Ainda que não publicado de forma tácita, existe um certo desprezo de uns para com os outros. Beligerância também não falta, notadamente por parte dos adeptos do Islamismo, contra judeus e cristãos. O mundo tem assistido com perplexidade os ataques constantes contra cristãos e judeus se repetirem praticamente todos os meses, senão semanas.

É difícil julgar qual religião, ideologia política, pensamento filosófico é melhor… A princípio, por respeito à diversidade e por força do bom senso, cada sistema é bom, à seu modo. Assim, compreende-se que o julgamento desses valores não é tarefa fácil, mas podemos bem nos utilizar de um critério certeiro que Jesus  Cristo nos dá para que possamos observar os indivíduos e suas ideologias, avaliar e tirar nossas próprias conclusões. A regra simples apresentada por Jesus diz que pelo fruto se conhece a árvore. O critério não deve ser utilizado para julgar, mas para discernir e fazer diferença entre uma coisa e outra. Os frutos produzidos por esses sistemas, ou seja, a sociedade por eles gerada, a civilização por eles construída, é a referência à partir da qual considerações poderão ser feitas.

Como você compra suas frutas no mercado? Existem dezenas, centenas de exemplares diante de você. O que você faz? Observa um e outro, examina, compara, e por fim escolhe… Pelas informações colhidas você elege aqueles que deseja levar para casa. O uso da comparação é um recurso comum e válido para escolhermos o melhor. A julgar pelo estado e qualidade dos frutos, pelas evidências inequívocas que um indivíduo, sociedade ou civilização produzem, podemos concluir se este ou aquele sistema é melhor ou pior.

Podemos comparar os dados e concluir. Há civilizações mais avançadas que outras, sem dúvida… De igual modo, há sociedades mais retrógradas que outras… Para se considerar os níveis de progresso, de avanço de uma determinada sociedade, o fiel da balança é o valor e os cuidados dispensados à pessoa humana. O indicador criado pela ONU no século passado, o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), aponta os frutos como resultado do nível de desenvolvimento de uma sociedade. A qualidade de vida é o critério central de sua avaliação. Se há justiça social, se há respeito ao ser humano, se há condições básicas de saúde, educação, moradia, alimentação, emprego e segurança, então estamos diante de fatores sólidos, tangíveis, quantificáveis… Podemos sim, a partir desses fatores (indicadores) dar notas a esses sistemas e pelos seus frutos concluir: Este é melhor do que aquele! Se o fiel da balança é o homem, onde houver melhores condições de vida e mais garantias de liberdade para o indivíduo expressar sua humanidade, sem dúvida, este ou aquele lugar será melhor para se viver!

 

 

 

 

Anúncios

Membros do Clã

Comofazerumcachorroparardebrigar

Membros do Clã

Por Luiz Leite

Fui para o parque na tarde de segunda para praticar a contemplação, essa disciplina antiga, minha velha companheira. Estava tudo muito calmo. O parque quase deserto. Deitei-me na grama e me pus a contemplar, esse exercício que resume-se a descansar à sombra de uma árvore, observar a natureza ao redor, flores, folhas, pássaros, ouvir seu canto… Meu Deus, há música em tudo!  No meu caso não havia pássaros cantando mas havia árvores, grama e vento… Quando não se tem pássaros mas se tem árvores e vento, então seguramente se ouve música.  Deitado sob a árvore frondosa, absorto pela beleza dos acordes que o vento produzia ao “tocar” a cabeleira farta das árvores, lentamente me ia transportando  para a minha Shangri-lá imaginária.

Quando me aproximava já da ponte que na contemplação separa os homens do burburinho externo e interno, fui bruscamente trazido de volta à realidade crua dos conflituosos companheiros de peregrinação… Gritos! Gritos desesperados feriam o silêncio até então paradisíaco. Levantei-me sobressaltado e ao longe avistei uma jovem senhora que gritava ao ver seu pequeno Poodle atacado por outro cão de porte imenso… A senhora, com custo, ralhando e chutando desesperadamente, tirou seu cãozinho das presas daquele perverso parente… Nisto aparece o dono do agressor e outra batalha tem início… Preparei-me para intervir ao perceber que os ânimos se avolumavam e os elogios se encrespavam… “Seu maldito!”, “Sua louca!” Terminava ali o precioso momento de ambos no parque. Interrompia-se também o meu.

O cão grande de volta na coleira, parecia sorrir de satisfação como quem diz: “Sentiu quem manda aqui, ô Mauricinho?” O pequeno no “colo” de sua dona, ainda “chorava” com ganidos comoventes devido ao susto. A dona, resfolegando com a ira de uma mãe cuja cria acabara de ser agredida, afagava-lhe os pelos impecavelmente brancos e macios, obra de salão e, sussurrando palavras próprias do misterioso coração materno, foi-se, esbaforida, acalantando o seu rebento. Lá fiquei eu, algo estatelado com a cena forte de agressividade envolvendo cães e homens! Depois de 12 mil anos de uma parceria muito bem sucedida, pensei lá com os meus botões: “A cachorrada, definitivamente, já faz parte da família. Qualquer ato de agressão contra um cão vai ser interpretado como uma agressão a um membro do clã!”