Religião sem revelação – Uma usina de loucos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Religião sem revelação – Uma usina de loucos

Por Luiz Leite

Caim cabe o título altivo de primeiro apóstata da história da humanidade. Abel, seu irmão, entretanto, parece ter aprendido desde cedo algo que faltava a Caim: a piedade com contentamento. 

Só a revelação pode emprestar à religião o sentido de sacralidade da vida; Sem a revelação a prática religiosa torna-se uma experiência enfadonha, decepcionante, e por isso também  perigosa. Sem a revelação jamais será capaz de providenciar o estofo que o homem precisa para preencher os buracos existenciais de sua alma aflita.

Caim era um homem angustiado. Carregava consigo rancores que lhe amargavam as entranhas e, por mais que praticasse a religião dos seus pais, não conseguia se desvencilhar das garras de um coração sombrio; respirava um ressentimento imenso em relação ao irmão.

Alguns dizem que Caim invejava a graça e prosperidade de Abel. A etimologia da palavra “inveja”, do latim “invidere”, significa basicamente “olhar para” , no sentido de querer “o brilho” do outro; A inveja visa não necessariamente os bens do outro, mas a graça do outro. É sem dúvida uma das enfermidades mais daninhas da alma humana.

Pelo que o texto bíblico indica, Abel atraiu a inveja e o ódio de seu irmão porque “o Senhor aceitou com agrado Abel e sua oferta, mas não aceitou Caim e sua oferta.” (Gn 4:4-5) por isto, continua o texto, “Caim se enfureceu e o seu rosto se transtornou”.

Note-se que o texto trás implícita a idéia de que o Senhor antes de “aceitar” a oferta, precisa aceitar o ofertante. A oferta em si pouco importa. O coração do ofertante, isto sim é tudo. A prática da religião, no que respeita à observação litúrgica dos seus cerimoniais pouco importa se aquele que traz a sua oferta ao altar não tiver o coração aprovado.

Abel tem a sua oferta aceita porque já antes tivera o coração aprovado. Vivia uma espiritualidade refletida, ao passo que Caim transitava na esfera de uma espécie de religiosidade feita de protocolos apenas. Caim tinham a informação, mas não tinha a revelação. Uma vivência religiosa nesses moldes produz um ritualismo marcado por uma  mecanicidade estéril e sem vida.

O coração árido de Caim certamente não entendia de onde procedia a graça, o contentamento, a prosperidade que seu irmão Abel desfrutava. Aquilo provavelmente o incomodava muitíssimo. Por ser o irmão mais velho, ele e o não o caçula deveria desfrutar de tais bênçãos, conjecturava. Deus estava sendo injusto para com ele!

A autocomiseração e desejo por reparação começaram a fermentar em sua alma. Sua religião com todas as práticas cerimoniais afinal não estavam ajudando-o em nada.  Faltava-lhe algo e ele não entendia. Provavelmente faltou-lhe também humildade para perguntar ao irmão qual era o segredo. Em sua frustração e revolta, resolveu seguir a inclinação de seu coração corrompido. Deus, em seu irmão, incomodava muito. Decidiu resolver o problema de Deus. Matou-o.

Esaú, como Caim, também  foi um homem que desprezou a Deus de uma maneira soberba. A sua auto-suficiência foi tão grande a ponto de conduzi-lo a desprezar a bênção de Deus completamente. Como Caim, tem uma diferença com o irmão mais novo. Só não perpetrou o intento de assassinar a Jacó porque publicou o plano.  Ensinados pelo mesmo professor, Esaú e Jacó tomam rumos opostos; A religião de ambos vai resultar nula para um e cheia de significados para outro.

A revelação novamente faz toda  diferença. Esaú desviou-se para sempre. Jamais voltou atrás em suas obstinação; Ainda que depois de velho tenha se reconciliado com o irmão mais novo, jamais conheceu a sublimidade do quebrantamento. Empestiou com sua peçonha  toda a sua descendência. Mesmo depois de morto continuou a perseguir o irmão Jacó, através de seus desdendentes. Desde Amaleque, passando por Hamã, até Herodes, Esaú, o pai dos Edomitas intentou contra Jacó, o pai dos Israelitas.

A religião sem a revelação é uma experiência de finalidade incerta. Ensinar ao homem as verdades de uma moral elevada sem capacitá-lo a vivê-las de modo prático é um experimento perigoso. Colocado numa situação profundamente incômoda, o homem experimentará de contínuo a frustração e a culpa, por não se ver capaz de obedecer às imposições exigidas.

É grande a lista de filhos de crentes que na bíblia se extraviaram e cometeram loucura. Ainda que ensinados na religião de seus pais, perderam-se nas engrenagens frias do cerimonialismo religioso e, levantando-se contra todos os princípios recebidos cometeram torpezas sem que o legado religioso lhes pudesse deter.

Caim fez escola. Sua religião sem revelação fez dele o primeiro dos loucos. Antes de “enfiarmos goela abaixo” dos nossos filhos as nossas convicções espirituais, deveríamos orar muito para que eles sejam contemplados com o clarão que um dia dissipou nossas trevas. Assim, e só assim, poderemos descansar sobre o fato de que não correrão o risco de pirar como muitos nessa imensa e absurda usina de loucos que é a religião sem revelação!

Diários – Paquistão

 

Diários – Paquistão (Nov 2009)

Por Luiz Leite

Cheguei, finalmente, ao Paquistão, a “terra dos homens santos”. Como não encontrei vôo direto da Índia, resolvi viajar até a cidade mais próxima da fronteira e fazer a travessia a pé. Tomei um trem em Nova Delhi com destino a Amritzar e parti. Ao entrar no meu vagão, olhei para os lados e me senti absolutamente estranho no meio daqueles rostos morenos e cabeleiras negras. Era o único cara pálida naqueles cantos, pensei. Qual não foi minha surpresa ao avistar um europeu vindo em direção ao lugar onde eu estava. Checando a passagem e o número da poltrona, dirigiu-se a mim em inglês, pedindo licença para assentar-se.

A viagem, que tinha tudo para ser longa e cansativa, acabou resultando agradável e rápida. O companheiro de viagem era um jornalista espanhol, de Barcelona, a caminho do Paquistão, com a finalidade de cobrir os conflitos na região. Viajava sob o “disfarce” de professor, uma vez que jornalistas não são bem vindos nesses dias por lá. Conversamos longamente por horas a fio enquanto o trem percorria as intermináveis planícies daquela parte da Índia. Percorremos os domínios da história, filosofia, religião, economia e política…

O espanhol, ateu, teve dificuldade de entender minhas razões para visitar o Paquistão. Não cabia em seu entendimento o que um missionário cristão tinha a acrescentar numa situação como aquela! Nossas posições experimentaram momentos de impasse e turbulência até que apresentei-lhe alguns textos bíblicos. Teve a humildade de confessar-se impressionado com alguns dos textos apresentados e reconhecer que desconhecia aquelas palavras… Forçou-me a dar garantias que tais e tais coisas estavam mesmo escritas na Bíblia. Como a Palavra não volta vazia…

Chegamos, depois de horas de burburinho e desconforto, à Amritzar. A cena era idêntica a tantas outras em qualquer grande centro urbano na Índia. Gente, muita gente, para todos os lados, e um assédio infernal ao turista por parte dos taxistas e ambulantes. Depois de muito cansaço e stress conseguimos finalmente chegar a um acordo com um dos taxistas e tomamos a estrada em direção à borda. Inimigos jurados, Índia e Paquistão vivem em estado de alerta e a tensão se faz sentir de modo especial na região fronteiriça.  A tarde caía quando finalmente deixei a terra exótica e descontraída dos muitos deuses para adentrar o recinto grave da  república islâmica.

A passagem de um lado para outro foi algo tensa, mas por fim, vencidas todas as etapas, lá estava eu, em território paquistanês, sentado numa cadeira empoeirada em uma barraquinha nas proximidades do posto da fronteira, compartilhando com um enxame inacreditável de moscas um chá com leite;  Senti uma melancolia milenar enquanto, sentado naquele fim de mundo, observava um pôr de sol marcado pela cantiga chorosa de um mulá que do alto de minarete qualquer fazia sua prece. O fato de estar em um dos países mais explosivos da terra não me preocupou. Estava absolutamente tranquilo. O espanhol, preocupado com a noite que caía, disse que não correria qualquer risco esperando naquele ermo. Convenci-o a esperar pelo contato que viria me buscar pois íamos para a mesma cidade. Ficou, e ali à mesa de uma barraca de beira de estrada, nos confins de um país estranho, esperamos, sob os olhares curiosos dos locais que certamente se perguntavam o que estávamos fazendo ali.

Qualquer estrangeiro que chegar ao distante e desconhecido Paquistão nestes dias possivelmente levará na bagagem certa desconfiança nutrida pela imagem mal construída de um país encoberto pelas nuvens sombrias do terrorismo. Essa noção desencontrada, todavia, estará prestes a ser desmantelada. Será surpreendido em, basicamente, todos os aspectos. É verdade que o Paquistão é um país pobre. O turista que chega por lá (muitíssimo escassos atualmente, em razão da turbulência política pela qual estão passando) não vai encontrar as amenidades comumente encontradas no Ocidente bacana. Ainda que não seja um país completamente atrasado, o Paquistão carece de muito daquilo que no ocidente é sinônimo de ordem. Ainda que não se identifique imediatamente um padrão de organização que atenda às exigências ocidentais, o observador mais atento, não o turista casual, encontrará e respeitará logo o modo paquistanês de ordenar sua sociedade.

Como qualquer viajante pode facilmente verificar, a influência poderosa da globalização se faz perceber em qualquer esquina dos grandes centros urbanos do país, exatamente como acontece com quaisquer outras cidades ao redor do mundo. Entretanto, apesar da ocidentalização crescente do mundo, aprende-se de saída que o Paquistão é um país suficientemente exótico. Tudo é muito diferente, e é exatamente nesta diferença que se pode encontrar a beleza paquistanesa. Quem desejar a previsibilidade deve buscar destinações mais pasteurizadas e seguras como a Disneylândia ou Paris.

A “terra dos homens puros” (significado do nome do país) que até a bem pouco era desconhecida para a maioria, tornou-se uma espécie de vedete na mídia internacional; Exibida, exaustivamente, em ângulos desconcertantes, a república islâmica do Paquistão tem sido desenhada no imaginário popular como um lugar sem lei onde loucos correm soltos a explodir carros e homens bombas nos mercados de suas cidades. O conflito paquistanês, entretanto, tem proporções mais profundas e dramáticas do que aquilo que os folhetins eletrônicos revelam. É verdade que a situação política do país é absolutamente complexa, que os radicais fundamentalistas são movidos por uma lógica que não se explica, que o comportamento de partes de sua população chega às raias da selvageria, mas essa é só uma parte da verdade. Nem todos por lá são loucos, fanáticos e extremados.

Há no Paquistão o homem de bem, de família, pacífico, cordato, hospitaleiro… Estive no meio deles e pude conhecer um Paquistão que a mídia não nos deixa conhecer. Incrível que pareça, pelo simples fato de ter feito contato com o aspecto saudável do Paquistão, aprendi a ter misericórdia da sua banda apodrecida pela loucura e pelo pecado. Nem tudo está por lá! Tenha um olhar mais complacente para com eles da próxima vez que vê-los na TV pois certamente a pose não será das melhores.