Psicanalisando III

Angústia

Por Luiz C Leite

Segundo o saber psicológico a angústia (angst), tema relevante no estudo das afecções psíquicas, tem origem complexa, mas bem definida, o que torna possível a identificação de sua gênese. Se fôssemos parar para considerar a angústia do ponto de vista psicológico, levando em conta que a psicologia se desdobra em pelo menos quatro leituras importantes (behaviorista, psicanalítica, humanista e transpessoal) que não poderiam deixar de ser mencionadas, teríamos então material para livros. Não é esse, entretanto, o propósito.

Quero abordar a angústia ampla, irrestrita, patológica ou não, coisa essa que atormenta o homem, que o persegue e o acua onde quer que ele vá. É a esse animal hediondo, sentimento experimentado por todos e em todas as idades, não importando configuração econômica, cultural ou social na qual o individuo esteja inserido que me atrevo endereçar.

Esse afeto assimétrico, desestabilizante, esse sentir doloroso e nauseabundo, tem sido fonte de inspiração para um sem número de poetas bêbados, escritores insones, e toda essa casta formidável de sublimadores, que através da linguagem subliminar da arte, direcionam para o papel, a madeira, o ferro, os seus tormentos e inquietações.

A angústia está na música, no cinema, nas artes plásticas, na literatura, em toda parte; vê-se nos rostos opacos, nas rugas, em alto relevo a expressão do medo… Foge-se de monstros, moinhos de vento, subprodutos de operações mentais descompensadas, afetadas por fantasmas nem sempre imaginários como comumente se assume; esses algozes da alma tem endereço certo, residindo nos subterrâneos mais profundos e cavernosos da trama psíquica.

A criatura humana é desde há muito uma criatura perturbada, atarantada, desnorteada no labirinto de sua efêmera existência. A maioria sucumbe antes de sequer começar a fazer sentido do caminho que conduz à saída. A angústia o persegue tal qual uma sombra, dando as caras sem ser convidada, companhia indesejável, “persona non grata”.

Não diria, como resume o pensamento budista, e concomitantemente a filosofia de Schopenhauer, que viver é sofrer, mas reconheço a complexidade desse enredo tão curto e incrivelmente tão kafkaniano às vezes. Se tudo se resume ao pesadelo da roda cármica, então teremos sido vitimados pela mais vil das piadas!

O apóstolo Paulo escrevendo à uma comunidade grega, afeita ao pensamento filosófico, aponta para a pós-história e sapeca: “Se as nossas apostas estiverem todas nesta vida, somos sem sombra de dúvida, de todos os homens, os mais dignos de lástima! (paráfrase) Aqueles que esperam o desfecho triunfal na pós-história, se um céu existe, como promete a pregação cristã, serão brindados com a realização do maior de todos os anseios, o fim definitivo da angústia.

 

 

 

 

 

 

3 comentários sobre “Psicanalisando III

  1. Pr Luiz,qual a bandeira da leitura behaviorista?Obrigada.

  2. adorei seus textos, continue…parabens!

  3. Obrigado edilson… Ouvir isso motiva quem escreve.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s