Crônica do Ano que Passou

Crônica do ano que passou

Por Luiz Leite

Escrever uma crônica do ano que passou é como rascunhar uma crônica de todos os anos que passaram e daqueles que ainda virão. Salomão sabia disso. Escrevendo o seu estupendo e provocante Eclesiastes diz: “O que foi é que há de ser e o que se fez isto se tornará a fazer, nada pois há novo debaixo do sol.”

Vivemos dias conturbados, diria tanto o homem comum como os cônsules nos dias agitados em que a 13ª legião de César cruzou o Rubicão e marchou sobre as terras da Itália. Mas a mesma coisa seria dita por cidadãos de eras passadas e séculos porvir. Há muito barulho, muitos rumores no ar. Vivemos dias conturbados – conclui pasmada cada geração. Quem disser o contrário será duramente resistido. Quando o otimista Leibniz disse que vivemos no melhor dos mundos possíveis, atraiu o sarcasmo do cínico Voltaire que, usando o terremoto que destruiu Lisboa em 1755 como argumento, criticou severamente o crente Leibniz.

Crises de todas as ordens sacodem a ordem social a cada ano, séculos a fio. Disputas intestinas na política, desvarios na condução da economia,  colapsos institucionais, desastres ambientais sacodem o mundo e alimentam a mídia a cada dia. O mundo parece estar à beira de um precipício. Em meio à tormenta, uma boataria desencontrada insufla nas massas um sentimento de suspense ainda maior, em virtude da falta de certeza em relação às informações veiculadas. Mais uma vez estamos às voltas com o fim do mundo!

Enquanto isso, no planalto central do Brasil a sucessão ininterrupta de CPIs tece o enredo de uma novela de péssima qualidade. Nada mais sem graça do que um roteiro com final previsível. A troca frequente e frenética de farpas e acusações, sempre e eternamente despachadas como intriga da oposição, parece nunca conduzir a qualquer efeito. Cortinas de fumaça são criadas para encobrir os desmandos e desvios de meliantes sofisticados. Empertigados dentro de seus ternos bem cortados pelas melhores e mais caras grifes, uma afronta à nação, permanecem administrando suas carreiras sem maiores desconfortos.

Os escândalos políticos continuam viscejando como sempre. Em países como EUA ou China muitos dos figurões da vida pública nacional estariam presos ou mortos! Pois muitos protagonistas de maracutaias homéricas permanecem, ainda que afastados de seus cargos por improbidade, influenciando e traficando influência nos palácios de Brasília. Sempre e eternamente repetem o mesmo refrão: Inocente! Na maioria das vezes devem sim, mas batem pé e, ofendendo a opinião pública, dizem para si mesmos entre dentes: “Devo e não pago; nego enquanto puder!”

O próprio governo se encarrega de blindar seus expoentes, mesmo sabendo dos seus desvios. Ainda que, cínicos, afirmem nada saber, sabemos bem que sabiam de tudo! O último popular e celebrado governante que tivemos tornou-se notável pela capacidade que tinha de acobertar os crimes de seus correligionários delinquentes que, alegando perseguição, sempre mostram-se tranquilos ante as acusações, seguros que estão da impunidade. Poderia ser  dado aqui um rosário imenso de nomes e eventos que não resultaram em absolutamente nada.

Desespera deitar o olhar sobre o cenário e concluir que uma crônica do ano que passou servirá para descrever esse ano e todos os anos que virão, bastando apenas mudar as datas.

2 comentários sobre “Crônica do Ano que Passou

  1. verdadeiramente é desesperador…

  2. Pingback: Questão de opinião « um dedo de prosa

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s