Eleição ou Seleção?

 

 

 

 

 

 

Eleição ou Seleção?

Por Luiz Leite

É para mim inevitável, ao observar o cenário político, não lembrar do texto polêmico do famoso livro que transtornou o século XX. Leitura proibida no Brasil, o Protocolo dos Sábios de Sião, surgiu na Rússia durante o governo do Czar Nicolau II, e revela a trama supostamente desenvolvida pelos judeus para controlar as economias do mundo através de uma fabulosa conspiração. A comunidade judaica vem, desde há muito, negando a autoria do tal documento. Alegam que o tal protocolo foi forjado pelo polícia secreta do Czar para lançar a opinião pública contra os movimentos de esquerda que vinham crescendo de forma ameaçadora e que tinham em suas fileiras muitos judeus em posição importante. Negam o livro e seu conteúdo, como negam a Jesus como Messias.

A negação veemente da paternidade dessa obra é para os judeus das mais importantes frentes de luta por sua sobrevivência. A leitura do Protocolo comprovadamente funciona de maneira terrivelmentre eficaz como arma de propaganda antisemita. A Alemanha Nazista de Hitler usou-o largamente em seus esforços para persuadir seus fanatizados seguidores da “ameaça judaica” e da necessidade de exterminá-los como a ratos. O III Reich disponibilizou o texto e colocou nas mãos do povo alemão, intoxicando a milhões com o veneno racista.

Ainda que os judeus neguem que o Protocolo dos Sábios de Sião tenha tenha qualquer fundamento, ou que exista uma conspiração judaica para controlar as nações, os antisemitas de todo o mundo sustentam categoricamente, apresentando provas as vezes intrigantes, as vezes questionáveis, que a obra é autêntica e que existe sim uma conspirata sionista operando nos bastidores do poder mundial. A controvérsia acerca da autencidade do livro certamente não terá fim.

Fato é que alguns trechos do ultra polêmico Protocolo nos remetem a pensar conspiracionalmente. É bem sabido que na coreografia do poder os passos são cuidadosamente ensaiados com todos os movimentos prédeterminados, com pouquíssima probabilidade de deslizes. O desfecho do espetáculo só é conhecido pelo diretor da trama e seus atores e colaboradores mais próximos. O grande público não decide nada. Acompanha o desenrolar dos eventos completamente alheio ao seu fim. Arriscam palpites, “torcem” e até se precipitam em discussões acaloradas, mas nada sabem.

Nesses dias, com o “show” das eleições em andamento, o texto do documento incendiário provoca: “Os administradores, escolhidos por nós no povo, em razão de suas aptidões servis, não serão indivíduos preparados para a administração do país. Assim, facilmente se tornarão peões de nosso jogo, nas mãos de nossos sábios e geniais conselheiros, de nossos especialistas, educados desde a infância para administrar os negócios do mundo inteiro. “

A liberdade política”, diz o documento controverso, “é uma idéia apenas”; não se traduz para a realidade. Desse modo, o homem comum vive o sonho dessa tal liberdade quando, no exercício de uma cidadania questionável, se dirige às urnas para fazer valer seu direito (forçado) de voto. Não existiria,então, eleição. Existe seleção. Essa seleção é natural, algo semelhante a proposição Darwiniana. Os mais fortes sobrevivem pelo espólio dos mais fracos. As cartas marcadas roubam, às escondidas, como é próprio deste delito odiável, as chances dos ingênuos e idealistas puritanos. O loteamento do poder é feito longe do olhos da plebe ignara que nem suspeita que está sendo escandalosamente vilipendiada.

No caso do Brasil alguns eventos da história recente ainda intrigam. Só para citar alguns casos, o “suicídio” de Getúlio Vargas, a  “renúncia” de Jânio Quadros, a queda de João Goulart, a morte de Juscelino Kubstichek, a estranha morte de Tancredo Neves, o enigmático “desaparecimento” de Ulisses Guimarães, a fantástica construção de Collor…  As cartas, tudo leva a crer, são mesmo marcadas. Não é preciso ser nenhum teórico da conspiração para chegar à essas conclusões. Qualquer bom historiador sabe bem que a história oficial é maquiada. Vergonhosamente.

Da missa – provoca o dito popular – não sabemos um terço. O circo apresenta os bufões no picadeiro e as massas riem-se, sem ao menos perceber que é dela mesma que se faz troça. No Brasil o fato está diante dos nossos olhos no horário político de cada pleito. O deboche se faz escancarado quando partidos políticos fazem uso de candidatos cacarecos (humoristas fracassados, cantores em fim de carreira, jogadores de futebol aposentados, símbolos sexuais decadentes…) para tentar garantir, na falta de pessoas capazes, uma cadeira a mais nas câmaras estaduais e federais. É apenas óbvio que tais candidatos, se eleitos, como já se provou, não passarão de figuras caricaturescas, sem qualquer significância no processo político, a vadearem pelos corredores do poder.

Ver o palhaço Tiririca, por exemplo, tornar-se o deputado federal mais votado do estado de SãoPaulo é um acinte; milhões devem rir de seu humor pastelão, mas por trás da chocarrice de apenas um palhaço, uma nação inteira está sendo ridicularizada. É lógico que não sabe disso o cidadão comum, que em sua ignorância nutrida por um ração especial de desinformação, vem sendo há anos embalado pelo recurso antigo mas sempre eficaz do pão e do circo. Ainda que em todas eleições me irrite o gracejo atrevido e escrachado de candidatos vazios de conteúdo, com seus discursos fajutos, cópias desgastadas e enfadonhas de fórmulas ultrapassadas, o que realmente me deixa indignado é o discurso sério, o tom grave dos personagens mais sisudos da comédia representada nesse grande picadeiro.

Temos políticos de carreira, políticos por vocação, por profissão, “franco atiradores” , oportunistas e idealistas de todas as cores. Dentre esses é possível encontrar, incrível que pareça, os bem intencionados. Ainda que os aproveitadores usem o poder religioso de mobilização para garantir votos em todos os pleitos, há daqueles que são representantes legítimos de determinados segmentos religiosos. Esses tem respaldo das lideranças eclesiais, sem necessidade de fazer conchavos impublicáveis para costurar alianças espúrias e assegurar o apoio de que precisam. Mesmo assim podemos ver líderes religiosos escorregando tristemente ao encarnarem o papel de cabos eleitorais nesse terreno escorregadio.

Se voce não é daqueles que aceita o estereótipo da memória curta que se atribui aos brasileiros, há de lembrar-se de como as lideranças da igreja brasileira se alinharam a Collor de Mello em 1989, exortando os fiéis a não votarem no comunista, o “sapo barbudo”, que naqueles dias iniciava a jornada em direção à Brasília. Pois as lideranças que ajudaram a empossar o embuste chamado Collor, viram-se embaraçadas diante do fiasco a que haviam avalizado. Afinal, Deus revelou que o apoiassem ou não? A princípio disseram que sim, depois restou o constrangimento a esses  “profetas” que saem por aí falando que Deus disse, quando Deus não falou coisa alguma.

Dia desses li em algum lugar que a Valnice Milhomens afirmou que “O Pai (lhe) havia dito que é possível que Marina Silva seja eleita esse ano”. Sinceramente não entendi. Se é o Pai que unge e destrona reis, então não pode haver tal coisa como “possibilidade” para a eleição daquele a quem ele escolher estabelecer no comando da nação! Afinal Deus falou ou não? Se falou, então tá falado! Essa dubiedade soa mal, dá lugar à desconfiança… Cuidado profetas!  Que Valnice queira ajudar Marina tudo bem. Posso ser cabo eleitoral de quem eu quiser, agora se vou a público fazendo uma asseveração de caráter subliminar, utilizando o sempre impressionável recurso do nome do Senhor, então acabo entrando na mesma frequência em que operam todos os outros flibusteiros.

Veja se não é esse o caso de Lula, o presidente deslumbrado? Referiu-se a Dilma outro dia em um dos seus discursos como senhora Presidenta! Surpreende ao emendar que já a chamava de Presidenta porque tinha convicção de que ela seria eleita; A pedra de toque para embasar o rasgo profético do falastrão foi uma frase de efeito com poderes hipnóticos sobre os incautos operários que lhe aplaudiam freneticamente. Apropriando-se cinicamente das palavras do apóstolo Paulo, diz em tom triunfal: “Se Deus é por nós, quem será contra nós?”

Enfim, se o “Protocolo dos sábios de Sião” é uma fraude antisemita ou não, se existe uma conspiração manipulando as peças nesse grande tabuleiro, não é fácil comprovar. O certo é que, no final das contas, quando cerrarem as cortinas e o show terminar, os senhores do poder se rirão do povo mais uma vez e darão curso aos seus negócios sem que se saiba quem realmente opera as cordas que movem as marionetes, ou quem são os ventríloquos que colocam as palavras nas bocas dos fantoches.

9 comentários sobre “Eleição ou Seleção?

  1. Amado Luis, eu entendo sua expectativa diante de “um futuro” de “cristãos de tudo quanto é tribo” e de “pseudo cristãos” .

    Mas quero falar sobre a Valnice Milhões. Eu sei que a mesma às vezes pode, em sua ânsia e precipitação de ver as coisas lindas acontecerem, avançar além da medida. Mas quanto a ela falar sobre Deus falar que Marina será ´presidente, não podemos esquecer que 1 dia e 1000 anos para o Senhor é a mesma coisa. Uma pessoa que anda muito perto de Jesus, come e bebe, pode mesmo ouvir coisas inefáveis. Talvez não seja para aquele tempo.
    Amados, não vamos jogar fora a criança junto com a água do banho.
    Respeito você, e peço que me compreenda. Eu vou logo dizendo, a Palavra de Deus nos encaminha a muitas coisas e vamos por fè. Se Jesus não corrobora, falhamos, não somos deuses. Somos filhos e filhas doidinhos para ver os cristãos se amando de verdade e totalmente apaixonados por Jesus. Errar por uma palavra precipitada, ou por uma profecia fora de “época tempo nossa visão”, nem sempre trará momentos confortantes.

    Agora picaretagem não aceito. Isso não aceito mesmo. Mas vamos com amor e paciência que o Reino de Deus está vindo. Nâo que Ele reine com os reis da terra ( até pode), mas todas as coisas estão contribuindo para o bem daqueles que amam a Deus. Todas as coisas. Valnice é de Jesus. Nâo jogue a criança fora junto com água do banho, amado. Vamos para debaixo da figueira, que é a Arvore que Deus pode estar usando para que retarde um pouquinho só o que Já Está Escrito, (mas pode ser mais tarde um pouquito) e dê tempo de muitos ainda se salvarem. Não tem ninguém salvador na terra. Tem circunstâncias e muitos “CIROS” por aí. dEUS USA COISAS FRACAS PARA CONFRONTAR OS SÁBIOS. Não esqueça… Só sei uma coisa: o FOCO tem que ser ELE. Só.
    bjo
    sua admiradora em Cristo
    zanzisca dEle.

  2. carissima Rosa,
    não julgo a Valnice. Estou CERTO que ela é de Deus e em nenhum momento disse o contrário. Não sou louco de tocar na unção de ninguém. Julguei, entretanto, a profecia…
    um pronunciamento um tanto quanto desencontrado para alguem em sua posição. Só isso.
    Fiquemos em paz. Abração.

  3. Ok, amado. Entendi. É isso mesmo, estamos no mesmo barco de Jesus Lindão. Te amo e sei que você é homem que Jesus ama muito… muito mesmo. Fala averdade, amado, Jesus é Lindo, né? Eu sei que seu coração quer o tudo de bom e verdadeiro de Jesus. Mas sabe é o quê, a arca de Noé tinha aqueles bichinhos e faziam suas necessidades… entende? Quando vejo um servo de Deus fazendo necessidades logo vejo que tem um splanchinizomai no contexto… Sabe, amado, que erremos por causa do nosso “splanchnizomai” e, jamais, por causa de sacolas de 30 moedas, (que, sei, você senta “o cassetete” nestes trintentos….rsrs)

    bjo. Te amo e entendi sua preocupação. Eu tenho o maior medo de fazer coisa “desencontrada””. Ela vai ter mais cuidado. Com certeza. Deus vai nos ensinando “no caminho”. Fiquemos em Paz e um beijo cheio de Jesus Lindão.
    baratíssima ( rsrs) rosa dEle.

  4. Amado pastor, boa tarde.

    Todas as coisas colocadas por ti são reais e aplicáveis ao cenário político atual. Não temos como nos enganar, sob pena de termos que sobreviver perante essa situação caótica. É preciso a boca de alguém para falar o que pensamos, para nos permitir “respirar”.
    Em todo o contexto da história, seja política ou espiritual, é necessário andarmos com as sandálias da sabedoria. Infelizmente, alguns cristãos, em sua candeia, estão “invigilantes”. E preocupo-me sim com a reputação de alguns que se fazem “boca de Deus”, pois os ouvidos dos “ímpios” e “neófitos na fé” não sabem distinguir o cumprimento profético. Precisamos evitar que o “mago” da história, atrás dos bastidores, aproveite da nossa “tentativa de engrenagem política”, para embasar seus conceitos e ganhar força nos pleitos “anticristãos”. Fica aqui, longe de um confronto pessoal a esses, um alerta à nossa conduta cristã.
    Abraços!
    Sueli

  5. Bem colocado Sueli. Abraço.

  6. Caro pr Luiz, concordo com seu texto e lembro-me muito bem de como as igrejas na época apoiaram o Collor, fico muito preocupada com esta posição das igrejas com relação ao PT pois lendo um blog de outro pastor vi ali um vídeo onde o Serra se diz favorável a união de homossexuais e pior vi um documento onde o Serra assinou para se realizar aborto no SUS, então se o grande problema de votar no PT seria pelo apoio a união entre os homossexuais e ao aborto, então porque votar no Serra se o mesmo é a favor das mesmas coisas? qual será o real interesse da maioria dos pastores apoiarem o PSDB? peço à Deus que o povo ore e principalmente busque informações e não sejam como avestruz que engole tudo o que ouvem!
    abraços Deus o abençoe!

  7. Ola Patricia, gostei do seu comentário. Infelizmente há tanta “informação” e contra-informação que as pessoas ficam perdidas e seu senso crítico confuso… DEus nos acuda!

  8. O mais importante hoje é termos um partido que não feche nossa boca. Que não permita leis antiJesus colocando mordaça nos crentes. Esse é o MAIS IMPORTANTE.Os governantes podem se converter ou não. Mas que o mundo está parando para ver que o BRasil está levantando JESUS…. ah… isto está. Mesmo que alguns não entendam, não tem problema, Leiamos a Biblia. Leiamos João e tragamos o contexto para hoje no BRasil. Entenderemos direitinho que é o fariseu, e quem é o adorador. E que bom que nisso tudo quem está no foco é JESUS LINDÃO REI GRANDÃO. Nós não somos nada mesmo. Importa que Ele Cresça e que nós diminuamos. O mais importante é todos nós estarmos debaixo dos 7 Lindo Olhos de Jesus Lindão Rei GRandão. Jesus é Lindo, gente.

  9. Pingback: Com a Palavra… o Leitor « um dedo de prosa

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s