A Uniformidade é Burra

Por Luiz Leite

A uniformidade é burra. O mundo seria muitíssimo monótono se conseguíssemos colocar um cabresto nas pessoas e forçá-las a se comportarem à nossa maneira, conformando-se aos nossos gostos. Pode parecer um clichê apenas, mas é necessário que se repita, a unidade na diversidade permanece sendo um enorme desafio.

Conviver num ambiente de teologias múltiplas, de filosofias múltiplas, sempre foi desafiador. A intolerância, a incapacidade de suportar o diferente, sempre foi o motivo precipitador de muitas tragédias na história da humanidade. Homens e nações inteiras se engalfinharam em conflitos mortais simplesmente por labutarem em campos diferentes de idéias e crenças. As páginas da história estão repletas de testemunhos a esse respeito; campos ficaram encharcados de sangue em razão das disputas alimentadas pelo afã ensandecido de impor sobre o outro os seus próprios termos.

Para não citar os horrores do nazismo, tão abundantemente divulgados, passam despercebidos e muitas vezes caem no esquecimento, casos como a chamada noite de São Bartolomeu (24 de agosto de 1572), noite em que, por ordem de Catarina de Médici, rainha católica da França, as ruas de Paris ficaram ensopadas com o sangue de protestantes franceses, assassinados em massa. Cerca de 30 mil pessoas perderam suas vidas por causa da implacável intolerância católica aos huguenotes, designação comum aos protestantes Franceses.

É fácil concluir, quando refletimos sobre tais coisas, que o homem é um ser em conflito. Sua relação é, consigo, com o próximo, com o Criador, uma relação, sobretudo, conflituosa. Esse desalinho observado em sua essência é a fonte de onde se originam todas as suas neuroses, esquizofrenias, psicoses e demais patologias determinantes dos comportamentos ora confusos, ora bizarros que conduzem o ser humano em sua marcha pelo tempo.

Não temos o direito de obrigar os outros a se conformarem à nossa maneira de ser; mesmo que não concordemos com o diferente, temos que tolerá-lo, ainda que chegue às raias daquilo que consideramos como ultraje. Podemos sem dúvida pregar a nossa mensagem, mesmo porque esse é um direito conquistado, mas impô-la jamais. Toda e qualquer movimentação nessa direção poderá ser tida como doentia.

É certo, entretanto, que todo grupo étnico, social ou religioso tem as suas próprias regras e a vida em sociedade nesse grupo só se faz possível mediante a observação dessas regras. Assim, a não submissão às regras vão conduzir à ejeção do individuo do mesmo. A sinagoga amaldiçoa e expulsa da comunidade o herege; a Igreja o excomunga, persegue e manda para o calabouço ou para as chamas; a família o deserda; a sociedade o execra, e por aí vai. A regra é inflexível. Exige que sejamos iguais, que leiamos todos na mesma cartilha, que nos deixemos amoldar aos códigos sociais. Na verdade essa regra é a garantia de manutenção do sistema, qualquer que seja ele.

Pergunta Erasmo de Roterdam (c. 1466-1536) em sua obra Elogio à Loucura:

“Que força pode obrigar os homens, naturalmente duros, selvagens e rústicos, a se agruparem em cidades, para viver em sociedade? A adulação.”

6 comentários sobre “A Uniformidade é Burra

  1. Puxa vida! Acabei de mandar uma mensagem para todos os meus contatos, evangélicos e ainda não evangélicos, sobre a ‘Síndrome de Jonas’ (Fugir de Deus), e no mesmo instante, chega esta sua mensagem…rss

    Achei espetacular a mensagem inteira, mas esta parte falou tremendamente comigo:
    “Não temos o direito de obrigar os outros a se conformarem à nossa maneira de ser… Podemos sem dúvida pregar a nossa mensagem, mesmo porque esse é um direito conquistado, mas impô-la jamais. Toda e qualquer movimentação nessa direção poderá ser tida como doentia.”

    Bom! Fiz minha parte, falar.
    Aceitar é com cada um, e convencer, até que enfim, entendi que é trabalho do Espírito Santo! rsss
    Aleluuuuuuuuuuia!
    Tremenda mensagem!
    Vou repassar 2ª feira. Hj já excedi meu limite.

    Que o Senhor continue te inspirando e abençoando, hj e sempre!

  2. Obrigado e que Deus continue te usando para abençoar outros tambem…

  3. E isso ai! “Impo-la jamais!”
    Isso demonstra o quanto temos respeitado o outro, e dado a ele uma oportunidade de ver atraves de nossas vidas (nao apenas nossas palavras), uma nova perspectiva. E atraves dela, tomar sua decisao.
    Convencer do pecado, da justica e do juizo e papel do Santo Espirito e nao cabe a nos tomar este lugar.
    Que Deus nos ajude a espalhar as boas novas com entusiasmo, deixando os resultados com Ele (o Senhor da seara).

  4. Muito bem Susy! Seus comments sempre enriquecem…

  5. I don’t think so! I’d say: I’ve been inspired by your articles though.
    Eles sim, tem me enriquecido e posso te garantir MUITO! Obrigada por compartilhar conosco on line! Tem feito a diferenca! =-D

  6. Falar sempre, mostrar em todo o tempo, direcionar a toda hora, impor jamais.
    Seria bom se todos entendece o que é o jamais. Não teriamos tantas divições.
    A palavra talvez não seria impor e sim POR. Este é o papel de cada um de nós. Ide e Por.
    Donizeti Garcia.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s