De volta a Nietzsche, aquele louco…

De volta a Nietzsche, aquele louco…

Por Luiz Leite

Nietzsche afirma que a humildade cristã é produto da mentalidade escrava e, portanto, fraca e ridicularizável. Quando se trata de humildade, conceito ausente em seu vocabulário (seguramente um dos egos mais inflados de que se tem notícia), é verdade que algumas pessoas, após serem submetidas a longos períodos de servidão, acabam tornando-se subservientes e pateticamente dóceis, mas é óbvio que não é esse tipo de “virtude” condicionada pelo “tronco e chicote” que o Cristianismo exalta  e exorta seus seguidores a cultivar.

A exegese que Nietzsche faz do Evangelho é equivocada. Interpretou a mensagem de Jesus pela ótica da amargura e não teve o cuidado de limpar as lentes de seu telescópio filosófico antes de lançar o olhar sobre aquele que poderia livrá-lo do fim trágico. Chegou ao resultado antes cogitado por Francis Bacon que disse: “Um pouco de filosofia inclina a mente do homem para o ateísmo, mas profundidade em filosofia traz de volta as mentes das pessoas para a religião.”

A filosofia de Nietzsche não é construtiva. Apoliom e Abadom parecem inspirar sua pena e fazê-la deslizar loucamente em sua sanha anticristã. Isto ele não esconde ao dizer: “Desgarrar muitos do rebanho – foi para isso que eu vim.” Não se pode, todavia, desprezar e despachar a filosofia de Nietzsche como sem graça;  Convenhamos que isto ele faz com uma veia poética que atrai, tornando palatável o que em Espinoza seria intragável.

Determinados desvarios de Nietzsche me fazem rir… Fecho os olhos e vejo um adolescente espumando rebeldia, preconizando a derrubada de governos e hierarquias num idealismo afogueado e desorientado. Concordo com o que foi dito acerca dele por George Santayana, “Blasfêmias pueris… genialidade imbecil.”

Nietzsche é preciso quando denuncia a fraqueza humana; ora, é absolutamente fácil apontar o dedo para uma nódoa no linho branco e disparar: “Eis que passo a vos mostrar uma nódoa!” Onde está a geniosidade de tal afirmação? Um profeta inclemente do óbvio. Despejou sua fúria contra a cana quebrada e o pavio que fumega…

Tribudiou sobre a miséria dos humanos, sem mesmo considerar-se como um dos tais; em um dos seus muitos espasmos de insanidade teria dito: “Eu não sou homem, sou dinamite.” Não há aí qualquer vestígio de grandeza, nem de força… Destruir é fácil. Os psicopatas o fazem sem qualquer crise de consciência; Difícil é ligar a cana esmagada e reacender o pavio que fumega!

Anúncios

Genealogia com Graça

Genealogia com Graça

Por Luiz Leite

O Novo Testamento começa de maneira maçante. A princípio, o arranjo das palavras soa monótono; Que graça há em ler todos aqueles nomes estranhos de uma genealogia judaica? Pois é exatamente assim que Mateus inicia o seu evangelho. O leitor casual passará os olhos pela seção de nomes e prosseguirá em busca de algo mais interessante; Aquele, entretanto, que demora-se um pouco mais sobre o texto sem graça, estará prestes a ser surpreendido por uma grande descoberta! Encontrará a primeira genealogia com graça. Graça no seu modo mais condensado! Eis aí uma genealogia com graça.

Mateus desconcerta. Transgride a norma. Rompe com a tradição e escandaliza  seus contemporâneos conservadores. Desconcerta com a inserção de mulheres no registro genealógico do Messias. Tradicionalmente as genealogias registravam os nomes dos elementos do sexo masculino apenas. As mulheres não contavam. Em muitos aspectos é exatamente isto que faz a mensagem do Evangelho: Desmantela paradigmas caducos e apresentar uma nova leitura das coisas, utilizando as lentes cristalinas da graça.

Encontrar por ascendentes de Jesus Cristo mulheres de conduta não apenas questionável como também condenável pelos parâmetros da Lei é realmente embaraçoso. Mulheres como Tamar que, fingindo-se prostituta, armou uma cilada memorável para apanhar seu sogro, que no contexto também se faz um prostituto; O que dizer de Raabe, por quem ninguém dava nada, em virtude do ofício nada sacro que exercia?

O registro genealógico de Jesus todavia não nos apresenta apenas a mulheres gentias e de caráter duvidoso; os homens que compõem a lista não são lá nenhum baluarte de verdade e retidão. Na família de Jesus há ex-trapaçeiros, ex-adúlteros, ex-assassinos, ex-corruptos, e sabe Deus quantos outros transgressores cujos delitos constam nos livros da lei como passíveis de severas punições e até mesmo pena capital.

Tais pessoas, em nosso julgamento, jamais poderiam entrar na linhagem messiânica! O que essa gente toda tá fazendo aí? Como entraram na família de Jesus? Do mesmo jeito que eu e voce entramos na família de Deus, pelos portais da graça! Encontramos, portanto, na genealogia de Jesus o tema central que caracteriza o Novo Testamento em sua forma mais concentrada. A teologia da graça está presente na genealogia do Salvador. As portas da graça foram abertas para aqueles que estavam irremediavelmente perdidos. Deus está anunciando logo de entrada que a salvação é pela graça, por meio da fé, não vem de nós, é dom Dele, nem das obras, para que ninguém se glorie! (Ef 2)

O que andam dizendo do blog

Andam falando muita coisa do blog  UM DEDO DE PROSA… Alguns artigos, segundo consta, valem a pena a leitura. É só conferir…

obs.: Seu elogio ou crítica é bem vindo. Deixe seu comentário.

********************************

Pegando pesado – comentando Religiao e Ética

“Cara vc pegou pesado nesta, mas foi incrível. Realmente a falta de ética em todos os segmentos está realmente crítica (…)”

Donizeti.

***

Xeque Mate – Comentando Richard Dawkins e a Última Fronteira

“Perfeitamente perfeito. É isso e tão somente isso.”

Carlos Babi

***

Degustação – Comentando Quem tem medo do pós moderno

“Adoooooooooorei…”

Renato

***

Resumo da Ópera – Comentando Duas Palavras e Um Abismo

“Excelente!! “

Denise Rangel

***

Sapiencia – Comentando De Ore Dei

“Parabéns pelo texto de orei dei!! Que Deus continue te dando essa sabedoria divina .”

Rafaela


***


Kennedy(s) e Sarney(s)
– Comentando Senatus Populus Que Romanus

“Excelente ponto de vista. E para maior contraste da situação vimos neste fim-de-semana os funerais domaior senador americano de todos os tempos, morreu Teddy Kennedy, o irmão dos assassinados Presidente John F. Kennedy e do (então candidato favorito à presidência) Sen. Robert Kennedy. Toda a nação americana chorou a morte deste grande senador. Será que se o senador Sarney ou o senador Collor, só para ficar nos ex-presidentes que lá se encontram morressem haveria sequer alguém chorando? Ah sim, não vale citar os seus apaniguados e suas viúvas…”

Jean Silveira

***

Veritas vincit – Comentando O  Czar e a Bíblia

“Excelente artigo, precisamos de pessoas assim que falem a verdade… Adorei esse site vou indicar para meus amigos…

Samuel

***

A Cruzada I – Comentando Maomé e as mulheres

“Desculpe se fui agressivo, é que sou jovem e não me sinto bem ao ver alguém chingar (sic) tão descaradamente minha religião, mesmo que, se eu fizesse o mesmo com a religião dos outros, seria atacado 1000x pior.”

Thales

***

A Cruzada II – Comentando Maomé e as mulheres

“Não vi nada ofensivo no post que justificasse o comportamento do representante muçulmano. Na verdade, o comportamento dele reflete muito bem a falta de tolerância que existe no mei muçulmano. Eles não entendem que a rejeição que dizem sofrer é causada pelas suas próprias ações.”

Ferr

***

Convertendo o convencido – Comentando Marcha para Jesus

“Parabenizo pelo o Teor da matéria. Concordo plenamente, precisamos de reflexão, precisamos como Igreja, nos arrependermos, voltarmos para Deus, e, resgatar a autoridade da Igreja.”

Jurandir

***

Flautista de Hamelin – Comentando o Poder do Foco

“Entrei no seu blog esta semana pela primeira vez, fiquei encantada com seus textos. (…) Agora quero ler sempre. Ameiii.

Cristina

Procrastinação e ano novo

Por um ano realmente novo

Por Luiz Leite

Para que se tenha um ano realmente novo é necessário tomar algumas medidas importantes e que não podem ser negociadas. O problema já começa aqui. Temos uma mania incorrigível de negociar os termos dessas medidas. É a procrastinação, do latim procrastinatus: pro- (à frente) e crastinus (de amanhã). O dicionário Aurélio define Procrastinar como: 1. Transferir para outro dia; adiar; delongar, demorar… Logo, um procrastinador é um indivíduo que evita tarefas ou que está evitando uma tarefa em particular. O que o Aurélio não revela é que o ato de procrastinar é sintoma de um problema de ordem psíquica.

A procrastinação resulta em desconforto e prejuízo em muitas áreas. O dano incide sobre o patrimônio material e existencial. Sensação de culpa, perda de produtividade e vergonha por ser classificado como preguiçoso, irresponsável, etc.

Não é incomum que de vez em quando nos portemos de modo a relaxar com a rigidez das exigências e acabemos procrastinando. Quando essa procrastinação, entretanto, se torna crônica, manifestando-se com uma frequência ligeiramente acima do aceitável, então é provável que o caso seja sinal de algum problema de ordem psicológica ou fisiológica.

A preguiça, que já foi classificada como um dos pecados capitais, hoje é vista com bastante complacência pela psicologia como baixa autoestima ou ansiedade. Ainda que se possa explicar a procrastinação como desordem psicológica ou fisiológica, não podemos esquecer a exortação bíblica de que devemos fazer todas as coisas que vierem às nossas mãos “conforme nossas forças.” (Ec. 9.10)

Cumpre a nós, como responsáveis por administrar nossas vidas, romper com a procrastinação de modo a fazer conforme as nossas forças tudo o que vier às nossas mãos. Deus não nos pede para irmos além das nossas condições físicas e emocionais; O equilíbrio da Palavra requer apenas que sejamos diligentes.

A prosperidade é a regra, a escassês exceção. Se, todavia, falharmos em gerenciar o tempo e as oportunidades, entregando-nos ao ócio e à procrastinação, nos veremos prejudicados e experimentaremos a falta no lugar da provisão. O Deus da providência já preparou os meios para uma jornada bem suprida. A diligência (zelo, aplicação, presteza…) de cada um vai definir se comeremos o melhor dessa Terra ou não. O Deus abençoador e dadivoso já decretou: “Se ouvirdes e me quiserdes comereis o melhor desta terra.” (Is 1.19)

Stop waiting for things to happen; Go out and make them happen! “Pare de esperar que as coisas aconteçam; saia a campo e faça com que aconteçam!” Lembre-se: Procrastinação e ano novo não se combinam! Faça as suas orações, busque a Deus, mas também não se esqueça de arregaçar as mangas e fazer o que precisa ser feito. Prepare-se para surpresas! Voce certamente terá um ano novo realmente novo, abençoado e próspero!