Refutando Bultmann

faculty-projects-ftrials-jesus-bultmann2-tm3

Refutando Bultmann
Por Luiz Leite

É muito comum que refutemos a alguém quando não entendemos direito o seu ponto de vista. Dia desses uma pessoa me contestou energicamente por eu ter afirmado que a causa da rejeição da oferta de Caim não foi exatamente porque a referida oferta não foi uma oferta de sangue, e sim por uma questão de ordem mais profunda envolvendo a motivação do ofertante… A falta de conhecimento mais apropriado acerca de um assunto faz com que as pessoas se precipitem apaixonadamente, porém sem fundamento, em debates para os quais não estão preparadas.

Atrever-me a refutar Bultmann é quase que um ato de atrevida ousadia, mas caramba, pensei, Bultmann não é nenhum Paulo e seus escritos não são Escritura Sagrada… Melhor, é possível que alguém que saiba mais responda a esse post e lance luz sobre minha ignorância, se esse for o caso.

Vamos à refutação. Bultmann, em artigo sobre o conceito Carne (Σαρξ) afirma em sua Teologia do Novo Testamento que a expressão “espinho na carne” (σκολοψ τη σαρκι) é figura que se refere a sofrimento físico.

Pois, onde está o problema? O problema está no contexto. Paulo nos informa que foi lhe dado “(…) um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás…” (αγγελος Σατανα) O termo “mensageiro” traduzido do grego αγγελος (de onde procede a nossa palavra anjo), não é aplicado em nenhuma parte do NT senão a homens, anjos e demônios.

A carta onde se encontra o texto é possível ou certamente a carta mais autobiográfica escrita por Paulo. Aí manifesta larga defesa do seu apostolado, apresentando suas credenciais, como não faz em nenhuma outra epístola, como se estivesse correndo o risco de perder sua autoridade junto aos Coríntios, igreja complicada, mas muito amada pelo Apóstolo. É nessa carta que ele faz referência a “falsos apóstolos, obreiros fraudulentos, disfarçando-se em apóstolos de Cristo.” Segundo o contexto esses tais apóstolos, qual joio no trigal, estariam prejudicando a Igreja bem como todo o trabalho por ele desenvolvido ali.

É bastante razoável que o espinho na carne, o mensageiro de Satanás (αγγελος Σατανα) , fosse um destes, que vinham fazendo oposição a seu ministério e espalhando fofocas acerca de suas supostas deficiências para tentar desacreditá-lo junto à comunidade de Corinto. Uma vez que o termo só se aplica a homens, anjos e demônios, provavelmente é a estes que faz referência. Se ele tivesse mencionado apenas o espinho na carne (σκολοψ τη σαρκι), poderíamos inferir daí uma enfermidade de qualquer ordem, ou até mesmo fraqueza sexual como imaginam alguns especuladores mal intencionados, mas a cláusula que segue usando a palavra αγγελος (anjo, mensageiro) é de nos deixar intrigados… o termo, indubitavelmente, adjetivaria melhor a um homem (ou demônio). Será que Bultmann estava errado?

Anúncios

16 comentários sobre “Refutando Bultmann

  1. Aricélio disse:

    MUito bom! É difícil e pode-se dizer, é até mesmo especular oque não está claro no referido contexto. Contudo, já especulando, realmente ter um falso cristão trabalhando contra a obra é de desesperar. Mas pensemos: Paulo tinha apenas um espinho na carne, Jesus porém, tinha uma coroa cheia de espinhos, também na carne(de mesma natureza que os de Paulo), contudo suportou. Eu e você éramos tais espinhos que o feria. Na verdade, Cristo vem distribuindo, ao longo destes 2000 anos, seu sofrimento com alguns (não todos) que entendem o mistério. Apenas um espinho, pode ser que te seja necessário para o seu ministério. Paulo pediu para remover um único espinho que o fazia sofrer. Cristo porém, suportou uma coroa de espinhos (creio que o meu, o seu e o de Paulo estavam naquela coroa). Por isso a resposta: a minha Graça de basta, Paulo, pois meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. Paulo pediu a Deus para remover aquele que Cristo carregava em sua coroa, pelo qual Cristo padeceu na cruz, na esperança e plano de Salvação. Isto sim é Graça, suportar o falso irmão, o espinho que onde vou ele está ali fingindo ser um obreiro, me esbofeteando, passando-se por mensageiro de Deus, mas na verdade, mensageiro de Satanás pregando aos crentes. Agora Paulo pode dizer: Ninguém me moleste, pois trago no meu corpo as marcas (de um espinho da coroa) de Cristo.

  2. Vander Guerhardt disse:

    Gostei muito do comentario do nosso irmao Aricelio. Podemos pensar assim. No tempo que se chama hoje, tambem temos muitos espinhos entre nos, divulgando doutrinas erradas e contra a Cruz de Cristo.O apostolo paulo deixou claro em II Timoteo 4:3-4 – ” Pois vira o tempo que nao suportarao a sa doutrina;ao contrario sentindo coceira nos ouvidos, juntarao mestres para si mesmos, segundo os seus proprios desejos.Eles se recusarao dar ouvidos a verdade, voltando-se para os mitos.” Essa palavra de Paulo nao poderia ser mais atual para o nosso contexto. Surgem apostolos de todos os lados e ao seu lado sempre o bom profeta, daqueles profetizador mesmo, endossando e adocando a boca dos ouvem.Os espinhos se tornaram teologos de teologias repugnantes, como a teologia da prosperidade, acredito que o que sentimos hoje e a mesma fincada desses espinhos que doia na carne de Paulo. Mais Gloria a Deus, que esta enviando um grande tesourao, daqueles de jardineiro para cortar alguns espinhos que tem sido insuportaveis…Vai com Deus teologia da prosperidade…Beijos Pastor…

    Vander Guerhardt.
    Florida – USA.

  3. Célia disse:

    Realmente não é fácil carregar estes espinhos, mas,
    se Jesus já os carregou e os venceu, eis aí nosso
    consolo para seguirmos em frente.
    O bom é que, com Cristo, nós passamos pelos
    espinhos… e seguimos em frente. Eles ficam para trás,
    já que na nossa Terra não terá espinhos… nem lágrimas, nem dor!!!
    Glórias ao Cordeiro que vive e reina!!!
    Dá até vontade de ir logo pra lá, mas como Ele ainda não chamou…
    e quer que eu continue por aqui… dividindo o Pão que Ele me dá…
    fazer o que, né?! OBDC
    Mas faço isto com muito prazer e alegria!!!

  4. luiz leite disse:

    Pois é! os espinhos estarão sempre aí… não temos como viver sem eles…
    não podemos simplesmente arrancar o joio…temos que aguardar…
    prossigamos até a chamada… que bom que nosso nome está na lista de chamada do céu…

  5. É perceptível no texto em foco tal afirmação, haja vista, que espinhos podem, e devem ser entendidos como difiuldades e embaraços.. vide Gênesis 3:18. Abraços.

  6. jucimar disse:

    Acho que refutar Bultmann nesse assunto não tão interessante. Ele partiu agressivamente para uma hermeneutica perigosa. Ele acusou de folclore algumas passagens bíblicas.
    Eu vou te enviar assuntos mais “cabeludos” sobre Bultmann que valem a pena refutar.

  7. Espinho na carne de Paulo, para ele poder entender a suficiência da graça divina. A carne de Jesus no espinho da cruz,tácito propósito de Deus, para que o crente venha saber que não haverá espinho algum para ele na eternidade. Quem sabe não seja essa uma boa exegese.!?

  8. Eduardo Miranda disse:

    Verdadeiramente, Bultmann é um mensageiro do inimigo. Uma vez que, o adversário não pode negar a historicidade de Jesus e dos manuscritos biblicos, ele tem enviado mensageiros como o nosso “amigo” Bultmann para, por meio de uma crítica de forma muito infeliz e tendenciosa, afirmar que o evangelho escrito pelos discípulos por meio de “perícopes”, é acrescentado de folclores e ensinamentos conforme ia surgindo as necessidades dos primeiros cristãos, sendo assim, Bultmann afirma que muitas palavras supostamente ditadas por Jesus citadas nos evangelhos, foram colocadas na boca de Jesus pelos escritores do evangelho que segundo os críticos de forma, foram compilados por meados do 2º século. Infelizmente, Bultmann é apenas mais um dos que tentam desacreditar o povo de Deus, por meio de vãs sutilezas. Mas nós temos os céus a nosso favor, sem contar que a história e a árqueologia, pelas quais podemos comprovar que o Novo Testamento é o livro mais confiável de toda a literatura antiga. É triste notar, que os mesmos que citam Sócrates, Aristóteles, Platão, entre outros, como pessoas históricas e confiaveis, não usam o mesmos crítério para avaliar os manuscritos bíblicos. “Ou seja, rejeitar o Novo Testamento, é rejeitar toda a literatura clássica existente”. Hipócritas, coam um mosquito, mas engolem milhares de camelos.
    Paz Pastor Luiz, que Deus continue usando grandemente a sua vida para ABENÇOAR as nossas.

    ATT, Eduardo Miranda, sua ovelha da Vida com Cristo em SP.

  9. luiz leite disse:

    É eduardo, a luta as vezes não é só contra os de fora… os de dentro também as vezes atentam contra o patrimonio…
    abração

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s